PREVENÇÃO E CONTINGÊNCIA 2021

PLANO DE PREVENÇÃO E CONTINGÊNCIA DO CORONAVÍRUS (COVID-19) para o ANO LETIVO 2020-2021

ATUALIZADO EM SETEMBRO 2020

Alinhado com:

  • Orientações emanadas pela Direção-Geral da Saúde, no âmbito da prevenção e controlo de infeção por novo Coronavírus (COVID-19))
  • Despacho n.º 6906-B/2020 de 03 de julho (calendário letivo)
  • Resolução do Conselho de Ministros nº 53-A/2020 de 14 de julho (Declara a situação de calamidade, contingência e alerta, no âmbito da pandemia da doença COVID-19)
  • Orientações para a organização do ano letivo 2020/2021 – DGEstEDecreto-Lei n.º 37-A/2020 de 15 de julho
  • Decreto-Lei n.º 28-B/2020 de 26 de junho
  • Resolução do Conselho de Ministros n.º 53-D/2020 de 20 de julho
  • Orientações para a Recuperação e Consolidação das Aprendizagens – Ministério da Educação – agosto 2020
  • Orientações para a realização em regime presencial das aulas práticas de Educação Física, DGE, DGEstE, DGS, setembro 2020
  • Orientações ano letivo 2020/2021, DGE, DGEstE, DGS, setembro 2020
  • Referencial Escolas – Controlo da Transmissão de COVID – 19 em Contexto Escolar – DGS – setembro 2020
  • Despacho n.º 8553-A/2020 de 04 de setembro

Introdução

A COVID-19 é uma doença causada pela infeção pelo novo Coronavírus (SARS-CoV-2). A doença manifesta-se predominantemente por sintomas respiratórios, nomeadamente, febre, tosse e dificuldade respiratória, podendo também existir outros sintomas, entre os quais, odinofagia (dor de garganta), dores musculares generalizadas, perda transitória do paladar ou do olfato, diarreia, dor no peito e dor de cabeça, entre outros. A pessoa infetada pode não apresentar sinais ou sintomas (assintomática). 

As crianças e jovens diagnosticados com COVID-19 têm habitualmente uma manifestação ligeira da doença, com menor risco de complicações e hospitalização. 

Com base na evidência científica atual, este vírus transmite-se principalmente através de: 

• Contacto direto: disseminação de gotículas respiratórias, produzidas quando uma pessoa infetada tosse, espirra ou fala, que podem ser inaladas ou pousar na boca, nariz ou olhos de pessoas que estão próximas. 

• Contacto indireto: contacto das mãos com uma superfície ou objeto contaminado com SARS-CoV-2 e, em seguida, com a boca, nariz ou olhos. 

Atualmente, estima-se que o período de incubação da doença (tempo decorrido desde a exposição ao vírus até ao aparecimento de sintomas) seja entre 1 e 14 dias. A transmissão de SARS-CoV-2 pode ocorrer cerca de dois dias antes da manifestação de sintomas” (DGS, setembro 2020).

Ler o documento na integra AQUI