Colégio Rainha Santa nos EUA em encontro internacional

Nova Iorque Irmã Maria da Glória é uma das 48 palestrantesdo encontro, que decorre entre 5 e 8 de Junho. É a única escola indicada pelo Conselho da Europa

A irmã Maria da Glória Cordeiro, diretora do Colégio Rainha Santa Isabel, vai proferir uma conferência no Congresso Mundial das Escolas Católicas, que decorre na Universidade de Fordham, em Nova Iorque, entre 5 e 8 de Junho. “Educatio Si – Educar para o humanismo fraterno para construir a civilização do amor” é o tema do congresso, organizado pela Oficina Internacional das Escolas Católicas, que congrega 250 mil escolas de 107 países com um total de 46 milhões de alunos.

Ao Diário de Coimbra, a Irmã Maria da Glória confessa o «privilégio» que é para a instituição que dirige ter sido o único estabelecimento de ensino indicado pelo Conselho da Europa (CE) para partilhar o seu projecto no encontro mundial. Além de apontar o Colégio Rainha Santa como «escola de referência», o CE indicou também uma professora universitária de outro país europeu, mas como «escola» que pode ser servir de exemplo sugeriu apenas o colégio de Coimbra entre o vasto universo de instituições de 47 países europeus.

«Mais do que um orgulho, é uma responsabilidade», salienta Maria da Glória Cordeiro, que será uma das 48 palestrantes do encontro, onde são esperados cerca de mil participantes de todo o mundo. A directora do Colégio Rainha Santa intervém no dia 6 e vai apresentar a conferência intitulada “Para uma identidade cristã da escola, fundada nas raízes evangélicas», em parceria com uma escola de França.

A Irmã Maria da Glória e a professora Célia Pascoal, que a acompanha a Nova Iorque, participam ainda em quatro dos oito laboratórios que integram o programa do congresso mundial, cuja sessão de encerramento decorrerá na Organização das Nações Unidas (ONU).

«Fomos convidados a apresentar o nosso projecto, porque o Conselho da Europa entendeu que era viável e, portanto, pode ser assumido por outras escolas», refere a responsável, destacando que vai a Nova Iorque falar de uma escola «onde toda a gente se dá muito bem, onde há uma grande solidariedade e disponibilidade para ajudar, onde as famílias organizam actividades» em parceria com a direcção da escola. Aliás, refere, «tanto a associação de estudantes, como a associação de pais estão em permanente ligação com a direcção do colégio» na promoção de iniciativas diversas, de que são exemplos as campanhas de recolha de bens – como aconteceu ainda, recente- mente, na sequência da tragédia de Moçambique – ou no apoio à educação de 240 crianças da Guiné-Bissau.

O Congresso Mundial das Escolas Católicas realiza-se de quatro em quatro anos e aos participantes pede-se que deixem recomendações no âmbito do plano das Nações Unidas Educação 2030.

No mesmo período em que vai decorrer o congresso, um grupo de alunos, acompanhado de dois professores, realiza uma visita de estudo a Nova Iorque.|