Secretário de Estado elogia projeto do Colégio Rainha Santa

Noticia Diário as Beiras 25-02-2019

A Semana Cultural 2019 do Colégio Rainha Santa Isabel (CRSI) terminou no passado sábado com um Dia Aberto à Cidade marcado pelo Sarau Cultural, que começou no espaço polivalente do colégio católico instalado no n.º 41 da Rua do Brasil, em Coimbra.
Entre a plateia, que contou com várias centenas de pessoas, esteve o secretário de Estado da Educação, João Costa, que enalteceu o programa formativo cultural ministrado pelo CRSI junto dos seus alunos. “Temos aqui uma boa implementação dos instrumentos para a autonomia e flexibilidade curricular que as escolas têm ao seu dispor, e, também, um exemplo muito interessante para um projeto educativo estruturado em torno da cultura e das artes”, destacou.

“Queremos mais cultura e arte nas nossas escolas”

João Costa não teve dúvidas em considerar que “foi uma tarde encantadora”. O novo Plano Nacional das Artes está em marcha e pretende levar mais cultura até às escolas. “O Governo lançou o Plano Nacional das Artes que visa exatamente levar mais arte e cultura às escolas. No fundo, levar mais alunos à arte e à cultura de forma a criar públicos”.
As premissas passam por aliar a formação académica com a formação artística. “Queremos garantir que há mais cultura e arte nas nossas escolas e, também, mais acesso facilitado à cultura e às artes por todos os alunos do país”, frisou, tendo utilizado um exemplo prático. “Não passa pela cabeça de nenhum nós que possa haver uma escola onde não se ensina matemática, história ou português. O que nós queremos é que também não passe pela cabeça de ninguém que exista uma escola sem formação artística”.
Na terceira presença na escola conimbricense, há notas positivas para o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues. “Saio daqui com notas positivas, sem dúvida”, revelou, antes de abordar as presenças anteriores. “Uma foi uma reunião de trabalho com diretores de várias escolas. A segunda, a pedido da direção, foi uma reunião de trabalho com os professores exatamente para apresentarem este projeto e para falarem sobre a forma como está a ser implementada a nova legislação. Foi nessa reunião que surgiu o convite para estar aqui”, confidenciou.

Novo modelo de avaliação externa

O novo modelo de avaliação externa das escolas começa a ser aplicado a partir de abril. João Costa abordou as mudanças. “Há novidades, sobretudo ao nível de termos uma avaliação muito mais abrangente, que não descura resultados académicos, mas também tem em conta a dimensão comunitária e, sobretudo, a dimensão da inclusão. Percebemos que, por contraponto a algumas apreciações que se fazem em função de rankings, uma escola é boa porque tem bons resultados, mas também é boa quando leva os alunos mais longe e quando é inclusiva, não deixando ninguém de fora”, realçou.
Para elucidar as mudanças, o secretário de Estado utilizou um caso prático. “Às vezes há uma escola que tem que suar muito para que um aluno tenha um 17, às vezes há esco- las onde estamos a suar ainda muito mais para que os alunos não de- sistam e terminem a sua escolaridade. Inclusão é isso mesmo. Garantir que todos têm um espaço. A avaliação externa vai trazer também estas dimensões”, assegurou. A inclusão é a palavra-chave, na opinião de João Costa. “Tivemos sociedades muito viradas para o crescimento económico. Hoje, cada vez faz mais sentido pensar num crescimento inclusivo”, referiu.

“Formação artística faz parte da educação”

A diretora da escola, irmã Maria da Glória Cordeiro, ressalvou a importância da formação artística e mencionou que é algo intrínseco à formação ministrada pelo Colégio Rainha Santa Isabel. “Para nós a formação artística é parte integrante da educação. “Foi o legado que a nossa fundadora nos deixou, ela queria que a escola desenvolvesse todo o potencial dos educandos, seja o cognitivo, o artístico ou o humanístico”, salientou. O balanço da semana cultural, cujo mote foi “Constrói a paz, cuida do Mundo!”, é positivo, com a responsável a elogiar o trabalho desenvolvido pela comunidade escolar. “O balanço é muito positivo devido ao extraordinário trabalho dos docentes e dos não docentes desta escola e ao empenho dos pais. Todos construímos a escola que temos”, salien- tou, antes de deixar uma garantia: “Há aqui muito talento artístico devida- mente desenvolvido”.

|e| Emanuel Pereira